Apresentação

Gerar, disseminar e debater informações sobre ALIMENTOS FUNCIONAIS, sob enfoque de Saúde Pública, é o objetivo principal deste Blog produzido no Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde - LabConsS da FF/UFRJ, com participação de alunos da disciplina “Química Bromatológica” e com apoio e monitoramento técnico dos bolsistas e egressos do Grupo PET-Programa de Educação Tutorial da SESu/MEC.

Recomenda-se que as postagens sejam lidas junto com os comentários a elas anexados, pois algumas são produzidas por estudantes em circunstâncias de treinamento e capacitação para atuação em Assuntos Regulatórios, enquanto outras envolvem poderosas influências de marketing, com alegações raramente comprovadas pela Ciencia. Esses equívocos, imprecisões e desvios ficam evidenciados nos comentários em anexo.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Chia e óleo de coco para emagrecer



A produção do programa percorreu as ruas e observou que a população não faz ideia do que se trata a chia. Em reportagem, o Mais Você mostrou que a sementinha é poderosa, ajudando a combater o colesterol, as doenças cardiovasculares, a hipertensão e o diabetes.

Na verdade, a chia emagrece porque o gel que ela forma no estômago dá uma sensação de saciedade e isso diminui a fome. Além disso, a chia tem ômega 3 e combate os processos inflamatórios. Como a gordura é uma inflamação nas células, isso é evitado. Outro ponto que ajuda no emagrecimento é a capacidade que o grão tem de desintoxicar o organismo.

“A chia é a semente da sálvia, então toda semente é muito concentrada em nutrientes, como tem uma boa quantidade de óleo, o bom é que você consuma a semente”, orientou a nutricionista Mônica Dalmácio. “A chia, como a linhaça, por ser uma boa fonte de ômega 3. O ideal é que você coloque as sementes no vidro hermético, bem fechado, com pouco ar e coloque na geladeira ou, pelo menos, um lugar fresco longe da luz solar”, indicou ela.
Outra novidade para quem deseja perder os quilinhos indesejados é o óleo de coco. “Virou febre nos Estados Unidos por causa do seu efeito na queima de gorduras. Em um estudo realizado por lá, ficou constatado que o óleo que é extraído do coco pode dobrar o número de quilos perdidos durante uma dieta”, ressaltou Ana Maria Braga.

“Eles adicionaram óleo de coco à massa do muffin (que é um bolinho) e sobre os pratos de comida das principais refeições dos participantes, que acabaram emagrecendo bem mais do que o esperado pelos próprios pesquisadores. Na barriga, então, o resultado foi incrível:
Sete vezes mais perda de medidas do que em uma dieta comum”, destacou a apresentadora.

Na casa, a apresentadora experimentou o óleo de coco e contou como é o sabor. “Ele não é doce, não é salgado, mas tem o gostinho do coco”, disse ela. Ana ainda informou que o preço destes produtos ainda é bastante alto no Brasil.


Fonte: Mais Você.
Disponível em:http://maisvoce.globo.com/MaisVoce/0,,MUL1677224-10345,00-CHIA+E+OLEO+DE+COCO+CONHECA+OS+ALIADOS+NA+GUERRA+CONTRA+A+BALANCA.html

6 comentários:

UKS # disse...

Gostaria de saber se a CHIA e o OLEO DE COCO podem ser consumidos juntos e qual a quantidade correta que pode ser consumida por dia? obrigada Helena

Juliana Moreira Soares disse...

De fato existem alguns estudos como este (http://download.springer.com/static/pdf/491/art%253A10.1007%252Fs11745-009-3306-6.pdf?auth66=1355360224_d12295bdf5befebf3eff391620bd02d2&ext=.pdf) que pesquisam os efeitos do óleo de coco em mulheres obesas.
A redução na gordura abdominal nas mulheres que participaram desse estudo ingerindo óleo de coco pode ser explicada pelo consumo de ácido graxo de cadeia média como o ácido láurico presente no óleo de coco e isso ocorre porque esses componentes não são facilmente incorporados aos triglicerídeos do tecido adiposo. Segundo esse estudo, a ingestão de óleo de coco não produziu alterações indesejáveis no perfil lipídico de mulheres com obesidade abdominal e ainda se mostrou favorável na proteção contra doenças cardiovasculares. Por outro lado, o consumo de óleo de coco parece ter induzido um aumento da resistência periférica à insulina, mas que não pode ser caracterizada como a única causa capaz de originar dislipidemia, obesidade e fatores de risco para as doenças cardiovasculares. Em resumo, a composição global da dieta bem como o modo de vida das pessoas, devem ser levados em consideração pois, ingestão de óleo de coco como única fonte de lipídeos não causa aumento no perfil lipídico no entanto, seu consumo atrelado a uma dieta hipercalórica e rica em gorduras pode potencializar riscos cardiovasculares, causar diabetes além de aumentar o colesterol, sendo assim, uma perda de peso sem saúde.

Carolina de Oliveira Soares - 111220591 disse...

Gostei muito da matéria! Atualmente a chia tem sido bastante utilizada nas dietas. Mas além desse efeito no emagrecimento, o fato de conter ômega 3 traz uma série de benefícios à saúde como a redução do colesterol, aumento da absorção de nutrientes, redução do risco de formação de trombos dentre outros benefícios.

ALAN GARNIER LEIRAS DA SILVA disse...

A busca de alimentos funcionais para fins de auxilio no emagrecimento tem sido bastante buscado não só por pessoas acima do peso, mas até por pessoas saudáveis. O consumo da semente de chia deve ser utilizado com cautela, pois não é aconselhado a utilização por um grupo de pessoas que apresentam doenças cronicas, como pessoas com hipertensão arterial que utilizam anti hipertensivos, já que a diminuição da pressao arterial será potencializado. Pessoas que se medicam com anticoagulantes, uma vez que a chia é fonte de omega 3, potencializa o efeito anticoagulante. Indivíduos diabéticos que utilizam insulina, intensifica a redução da taxa glicemica, causando hipoglicemia.

Daiana Coelho disse...

O assunto abordado no texto é muito interessante, mas como o método científico requer uma indagação e uma hipótese , além da escolha de um tema, um recorte e uma conclusão, talvez o assunto pudesse ser abordado de uma forma diferente, como:



- A utilização da Chia atrelada ao óleo de Coco, acelera a perda de peso de indivíduos que fazem uma dieta hipocalórica, quando comparados aqueles que fazem somente a dieta?



A chia é uma planta herbácea, pertencente à família das Lamiaceas, da qual fazem parte também o linho e a sálvia. É frequentente enaltecida por sua capacidade emagrecedora, como discorrido no texto, mas também por ser eficiente em reduzir o colesterol, portanto previnindo doenças cardiovasculares. O óleo de coco por sua vez é extraído da fruta coco e por possui alto teor de gordura saturada.Teoricamente, se este for ingerido em altas quantidades contribui para o aumento do colesterol ruim  (LDL), revertendo portanto os benefícios da Chia.  No entanto, alguns estudos  revelaram que o óleo de coco ajuda a acelerar o metabolismo no organismo, isso porque o ácido láurico (um dos triglicerídeos de cadeia média) presente em sua composição,  fazem as células trabalharem de forma acelerada consumindo mais calorias, o que evitaria o acúmulo de gordura. Todos esses mecanismos, atrelados a condição de uma dieta hipocalorica, certamente poderiam favorecer o emagrecimento.

Unknown disse...

O autor do texto acima não utilizou o método científico na elaboração de sua pesquisa, pois não houve um delineamento claro do tema, não foi realizado o recorte do tema de forma clara e objetiva no início do texto. A indagação não se apresenta em forma de questionamento, e a hipótese não foi bem fundamentada, pois não foi realizado um levantamento bibliográfico adequado para argumentar e se posicionar perante a indagação. Como tema recomendaria apenas utilizar a chia como o alimento a ser questionado, no recorte do tema deve-se explicar de maneira clara, que a chia é uma semente da Salvia hispanica L. planta herbácea da família das lamiáceas, originária do México, enfatizando que essa semente é utilizada como alimento pelos povos das civilizações da América Central há muitos séculos. A indagação seria: O consumo da semente de chia realmente emagrece?. Já para a elaboração da hipótese deve-se realizar a argumentação com base em artigos científicos e pesquisas bem fundamentadas, como dosagens de substancias presentes na semente e função dessas substâncias no processo de emagrecimento.